Um Sonho de Natal

Jorginho olhava da janela de sua casa a neve caindo, e as outras crianças formando nas calçadas cobertas de gelo, os bonecos brancos com os conteúdos gelados que vinham do céu.

O menino volta para dentro o seu olhar, liga a TV e passa a assistir as programações natalinas que todos os canais estão a exibir, ele vê uma cena que lhe chama a atenção. Jorginho vê um menininho com a sua mãe se escondendo do frio, enrolados num cobertor, indo para de baixo de um viaduto. A criança gira com os olhos e observa cada utensílio que tem em seu lar, ele corre até o seu quarto, e vê a quantidade de brinquedo que possui e muitos ele nem se quer tem tempo para brincar.

Então, ele corre até a cozinha onde a mãe faz os preparativos para noite de Natal, ele para ao pé da porta e a chama: “Mamãe, você pode me dar um pouco de atenção?” A mãe do garoto por um instante para as atividades e com um olhar terno de amor, uma voz macia e meiga responde: “Claro, meu filho, para você tenho toda a atenção do mundo”. Ele vai até a mãe a toma pela mão e a leva até o seu quarto. Ele abre a porta do guarda roupas e diz: “Veja mamãe, veja quanta roupa”, “sim, meu filho muitas roupas”, diz ela, “então, mãe, algumas eu nem as uso, e veja esse monte de brinquedo, não tenho tempo para brincar com todos, e certamente vou ganhar mais essa noite”.

A mãe olha para o menino e pergunta: “Mas, o que você quer então meu filho, quer a mamãe organize e guarde tudo para você querido?” A criança, ainda de chupeta na boca, olha para sua mamãe e diz: “Não minha mãe, eu queria que agente saísse com o carro do papai e levássemos esses brinquedos e essas roupinhas para uma mãe e seu filho, que eu vi passar na TV, eles moram de baixo do viaduto mamãe.”

Tocada profundamente pelas palavras inocentes e coerentes de Jorginho, a mãe põe a mão de leve na boca, e começa a pensar também nas roupas que nem ela nem o marido usam frequentemente. Ela vai até o seu quarto, pega uma mala bem grande, e começa separar algumas peças de roupas. Já o menino Jorginho, ajunta vários brinquedos em uma sacola, não demorou muito e mãe e filho estavam nas ruas doando roupas e brinquedos aos carentes.

Ao chegar ao viaduto, encontraram a mãe e o filho que ele tinha assistido, Jorginho pegou o seu melhor brinquedo, um carrinho de bombeiros de controle remoto, e o entregou ao garotinho, deu-lhe um abraço e disse: “Esse carinho um dia foi o meu sonho de Natal, espero que ele possa fazer você sonhar também com dias melhores, Feliz Natal”!Poesias & Crônicas de Márcio Nato