Sorriso

Aos poucos fomos dizendo adeus um para o outro...

Acho que este registro, captado pelo fotografo Afonso, foi o último espontâneo.

Não há porque fingir um sorriso, se em teus olhos há tristeza.
Não há motivos para gargalhar se o momento é de chorar...
Até aqui, "me ajudou o Senhor"!

Quero dizer que até onde pude, "combati o bom combate", guardei a fé. Mesmo em grandes tempestades, fiz tudo que veio em minhas mãos para fazer.

Nunca fingi sorriso para ninguém, as perguntas surgem: "por que quase não vemos você sorrindo?" As respostas: Por que não há motivos.

Aos poucos, eu e esse rapaz, vamos nos distanciando, a cada dia que passa ele fica mais longe...
Como uma canção fora do compasso, que qualquer
Quem sabe um dia ele volta...
Poesias & Crônicas de Márcio Nato