Ame-me pelo que sou, não por quem você quer que eu seja.

Eu não faço tipo, não minto sobre quem sou e nem tão pouco invento histórias mirabolantes sobre minha simples vida. 
Quer gostar de mim do jeito que eu sou? Amém! Seja bem vinda (o). Mas se para gostar de mim eu terei que mudar para te agradar? Então, passa batido (a)! Tchau e benção....
Poesias & Crônicas de Márcio Nato