O que eu sei sobre o amor?

A única coisa que realmente sei sobre esse tal sentimento, que nasce em nosso coração e, que chamamos de amor. É que ele existe.

Eu sei que ele faz homens e mulheres sábios, muitas das vezes, cometerem tolices.

Erramos por amar, ou por pensar que amamos.  Afinal quem sou eu para dizer se você ama ou não? Sou por ventura  onisciente, onipotente?  Óbvio que não.  O amor é sublime e, ao mesmo tempo, complicado e grandioso.

Ah, o amor... O que eu sei sobre você rapaz? A única coisa que sei é que você é real. É, eu sei que você existe, amor.

 E quando você nasce em ambos corações e é correspondido, você é a coisa mais legal e bela de se viver. O sentimento mais precioso e que  faz bem ao coração. O problema, amor, é quando você cisma de brotar em um só, dos corações. Aí, você complica... E como complica ... Ou, somos nós que o tornamos complicado?

Sabe amor você faz as pessoas terem  as coisas mais lindas e momentos mais felizes da vida. Mas quando você não resiste a um coração que não o quer mais lá dentro, todas essas coisas magníficas passam como a nevoa da manhã. E o que resta, na maioria das vezes, são fragmentos de corações estilhaçados.  No chão pode-se até encontrar vestígios de lágrimas, em pequenas poças formadas pela chuva. No entanto, amor, sei que você não é o culpado por nossa imperfeição em não saber te aceitar.

Mas, amor, apesar de todas essas intemperanças e flagelo do desconhecido, sei que você existe. E essa é a unica e real certeza que eu tenho. O Amor existe...

O amor existe...  Ele verdadeiramente existe. E nós não podemos culpá-lo por nossa deficiência em não saber amar.

Só peço, amor, que me perdoe se eu também sou dos quais que não sabe ter você em meu coração.

Saiba que nunca vou achar que você está fora de moda...

Poesias & Crônicas de Márcio Nato