Manoelzinho aprontando com a Bella Sandy

Numa dessas tarde, ensolarada, o pai de Manoelzinho o levou a um passeio ao Parque Ibirapuera, em São Paulo. Caminhando por lá, o danado do garotinho, de longe, avistou uma mulher de cabelos longos e loiros assentada em dos bancos do parque – A mulher tinha um tablet nas mãos e acessava as redes sociais.

Manoelzinho, muito do arteiro, puxava o pai pela mão em direção à moça. Ao chegar perto do banco onde ela estava o pai do menino pediu a gentil mulher que olhasse o menininho, enquanto ele ia buscar um sorvete para o garoto.  Já a mulher, olhou para a criança sorriu e, concordou em tomar conta da criança por alguns instantes.

No entanto, antes deixá-lo a companhia da educada moça, o pai de Manoelzinho alertou:__ Por favor, senhorita, não dê muita confiança a ele. Pois, esse menino tira coelhos até do fundo mar. 

Sem entender a noção do perigo, a moça apenas riu e respondeu:__ Não se preocupe, ele é só um garotinho dócil e gentil. Não parece ser uma daquelas crianças terríveis que conhecemos.

Os que convivem e conhecem Manoelzinho diriam para ela: "sabe nada inocente".

O pai afastou, a mulher começou a puxar conversa com  o menino:__ Então, fofinho qual é o seu nome?

__ Manoelzinho, e o seu?

__ Sandy, Bella Sandy. O que você gosta de fazer Manoelzinho? 

__ Gosto de brincar e falar com as pessoas, e você?

__ Ah, eu gosto de ficar com meus amigos, conversar, e usar o Facebook.
__ Face o quê?

__ Book, Facebook, não sabe o que é? Eu passo muito tempo falando com os meus amigos usando esse objeto aqui.

Sandy pega o tablet e mostra para Manoelzinho. O menino gesticula as bochechas e pergunta: __ Mas seus amigos ficam presos nessa tela?

__ Não querido, eles não estão presos. Aqui é só um local onde passamos, horas e horas, conversando uns com os outros.

__ Horas e horas?

__ Sim, por quê?

__ Nossa! E você não tem roupas para lavar ou casa para limpar além de ficar, horas e horas, conversando com esse negócio que parece uma televisão?

__ Que isso menino?

__ Ué, pelo jeito você não desgruda disso aí, não é? Até aqui no Parque você trouxe isso.

__ O quê?

__ É você deveria olhar outras coisas além disso aí. Ó, meu pai é solteiro.

__ Menino!!!

Então, do nada o menino leva a mão ao cabelo da moça.

__ Nossa, o seu cabelo é engraçado.

__  O que tem o meu cabelo agora, Manoelzinho?

__ Parece pelo de gato.

__ Como assim, garoto?

__  Acho que você passa tanto tempo olhando pro seus amigos nessa sua caixinha que até esquece de olhar o seu cabelo, e deixa ele assim igual pelo de gato.

__ Mas você é bem metidinho, hem Manoelzinho?

__ Mas ao menos o meu cabelo não parece pelo de gato.

Ao ver o pai de Manoelzinho vindo com três sorvetes nas mãos, Sandy se levanta e sai andando e diz:__ Não precisa agradecer  senhor, até mais!

O pai de Manoelzinho olha para o menino e pergunta:__ O que você fez, desta vez, garoto?


O menino pega o sorvete das mãos do pai e responde:__ Nada pai, acho que ela vai pra casa para poder falar, horas e horas, com um tal de Facebook. 

Poesias & Crônicas de Márcio Nato