Meu Pai Herói

Este ano completaram-se nove anos que o senhor me deixou... Sei que o senhor não pode ver, nem ler e nem sentir o que estou sentido. Mas Deus o sabe. E, só Deus sabe o quanto sinto a tua falta. Desde que o senhor partiu, naquele 24 de abril de 2005, ficou um rombo grande em meu coração. Um vazio tremendo, uma dor incurável, uma saudade interminável...


Aquela noite, do dia 23 para o dia 24, foi uma noite não dormida. Uma noite de anseio e pesar,  a espera de uma notícia - Claro que esperávamos todos nós positiva - mas a que veio para mim, a qual o meu primo Elielton bateu a porta do meu quarto, abriu e entrou me abraçou e chorou, foi a que o Senhor havia pedido de volta o fôlego de vida do senhor pai.

Como doeu seu Manoelino, como doeu... Doeu saber que eu não ia mais te ver quando lá em casa, quando eu chegasse. Doeu porque sabia que não mais ouviria a tua voz ou veria o senhor sentado em seu sofá assistindo a TV. Doeu meu velho teimoso, doeu porque nunca mais iríamos brigar pelas suas teimosias. Doeu porque não íamos mais rir das coisas que o senhor fazia erradas e nos mandava corrigir....

E, o senhor foi teimoso pai... Até pra descansar, o senhor foi teimoso...

Foram necessárias três cirurgias para vencer o senhor e mais uma maldita infecção hospitalar. O meu velho era duro na queda!

E, desta vez, ele se foi...

Depois daquele dia, nunca mais fui o mesmo... As minhas conquistas, não tinham mais a mesma garça ou valor... O senhor sempre foi minha maior motivação e orgulho. Queria ter sido teu filho de verdade, não só de criação.

o Senhor me deu o senhor para me sustentar a vida, pois, o que me pôs a vida, de mim se esqueceu e pelo mundo andou e acho que pouco de mim se lembra.

Amava muito o senhor meu velho, como eu te ama...Queria te dar tantas coisas...
te vi no caixão, com os sapatos, a camisa e calça jeans nova que lhe presenteei no natal daquele ano anterior. E isso era muito pouco, pois o senhor merecia o mundo inteiro... Se eu pudesse de dar o sol, eu o colaria no teu quarto para deixar-te sempre mais brilhante pai.

Queria te tratar como um rei, pois para mim o senhor foi um rei. Foi o meu amigo, meu avô, meu irmão, meu senhor, meu pai de coração, de criação, de amor e dedicação... Meu pai...

Mas, ele se foi, e deixou uma cratera gigante de saudade em meu coração. No entanto, sabeis vós que: Tudo o que sou e tudo que um dia ainda serei, será em honra e memória do senhor Manoel Pereira Rodrigues - O Meu Pai Herói.

Poesias & Crônicas de Márcio Nato