Rosa sem espinhos

Um dia Vincent Everest, andando pelas ruas da cidade, recebeu um convite de um amigo para almoçar. Everest de pronto aceitou o convite do amigo. Só o que ele não sabia é que, naquele dia, ele encontraria pela frente o colírio de seus olhos...

Em seu caminhar, o rapaz se deparou com uma bela Rosa. Aquela Rosa não tinha espinhos e nem coisa alguma que pudesse machucar alguém. A rosa era linda, linda e meiga, ela despertava a tenção de quem por ali passava. Mas as pessoas não sabiam olhar a beleza maior daquela rosa, pois a maior virtude dela estava escondida dentro do coração.

E por que as pessoas não conseguiam enxergar a beleza interior da rosa? Simplesmente, porque as pessoas são muito superficiais. Só conseguem enxergar o que está diante dos olhos, e quando se exigi algo mais profundo o brilho se perde e nada conseguem ver.

As pessoas, muitas delas, são incapazes de contemplar a beleza interior de alguém. São poucos os olhos que conseguem enxergar além da matéria e da primeira camada, são poucos que consegue ver as belezas memoráveis das flores, das árvores e da rosa do campo... E ela era  um ser dócil, amável, otimista, carismática e cheia de vitalidade, muito compreensiva, carismática e generosa.

Everest olhava  sem piscar para aquela Rosa. Ele observava como as folhas e as pétalas balançavam com a força do vento ao tocar aquela bela estrutura. Ela estava ali abrilhantando a rua daquela cidade, uma rosa única cheia de amor e graça para compartilhar. O sol refletindo em seu ser, só demonstrava com fulgor, ainda mais, o brilho daquela bela flor. As gotas de orvalho, a deixavam surpreendentemente  maravilhosa...

 O único problema é que aquela rosa, já havia sido ferida. Ferida por quem talvez não compreendeu a essência  de sua existência. Tentaram tirá-la do seu jardim, mas não souberam e a fizeram chorar.

Hoje, a  Rosa não está totalmente feliz, mas, ainda assim, ela consegue cativar muitos olhares e fazer corações palpitarem mais forte.  E foi assim, que o coração de Vincent Everest bateu mais forte a partir daquele dia...

Ele não tentou remover a rosa do lugar, e nem tocar nela... Ele espera por um tempo em que ela, por si mesma, abra os olhos e troque as folhas e se permita que ele a plante em belo jardim.

A Rosa passa por mais uma primavera, rejuvenesce suas folhas e adquire mais sustância. Renova as pétalas, aumenta a sua graça. E aos que tem um olhar dentro do coração, ela continuará transmitindo amor e paz, por meio, de uma beleza esplendida.


Poesias & Crônicas de Márcio Nato