Lua de prata

Quando a noite opressiva passar, e as nuvens densas deixarem o céu, quando o nevoeiro cessar e o vento forte parar de soprar, eu vou poder ver a lua brilhante no céu sorrindo para mim...

Eu sei que há um lugar para eu repousar nesta grande imensidão de corpos celestes e astro luminosos.  Acredito que exista um espaço entre os corpos cósmicos e magnânimos que pairam no céu.

A lua me faz companhia, quando ninguém mais quer saber como estou, a lua vem  perguntar se está tudo bem. Ela enfrenta as nuvens negras e pesadas e emana os seus raios sobre mim, só para me fazer sorrir.

A lua de prata no céu, com sua beleza inconfundível, quando estar a brilhar, torna as minhas noites menos solitárias e tristonhas. A lua, com um conjunto de estrelas ao seu lado, trás ao anoitecer um toque a mais de charme, fervor e ternura.

A lua entende o meu olhar, ela sabe o que quero dizer só com a expressão da sua luz que reflete em meus olhos. Ela sai e enfrenta a tempestade só para me fazer companhia e  torna menos tristes meu viver.
Uma noite linda de luar. Quando a dor quiser me abater, ou algo me entristecer, eu vou sair e olhar para o céu e ver a bela lua dominante no ar mais uma vez.




Poesias & Crônicas de Márcio Nato