A História de Marisa

Marisa de Oliveira tem 25 anos e trabalha como auxiliar de enfermagem há cinco. A jovem mulher quase não tem tempo para si, ela trabalha incansavelmente em dois hospitais e as horas livres ainda faz trabalhos extras como enfermeira particular.
Marisa faz todo esse sacrifício para bancar os tratamentos da mãe, dona Jurema, que sofre de uma doença congênita incurável e degenerativa. A mãe de Marisa precisa de tratamento constante com remédios controlados e muito caro.
Além arcar com os altos custos dos medicamentos, Marisa também paga uma pessoa qualificada para tomar conta da mãe, enquanto trabalha. E os custos desse profissional, não é nada barato.
Aos poucos a mulher começou a se afundar em dívidas e mais dívidas. Primeiro usou todos os limites dos cartões de crédito, depois entrou no cheque especial. Na tentativa de resolver o problema, Marisa recorreu a empréstimos bancários com juros altíssimos, o que dificultou ainda mais a situação.
As cartas e telefonemas de cobrança, para a filha de dona jurema, são incontáveis. E ela já não consegue mais dar conta de todas as despesas da casa. A situação de Marisa é totalmente desesperadora.
A aflição toma conta do seu ser, lágrimas inundam o seu olhar. Ela já não sabe mais o que fazer. Ciente de que, sem os remédios a doença da mãe vai se agravar e sem recursos para adquirir novos medicamentos, a mãe pode vir morrer rapidamente. Marisa chora compulsivamente.
Ela é uma mulher bonita, tem 1,77 de altura, cabelos loiros e longos, olhos azuis e dona de um corpo escultural. Por onde passa, esbanja graciosidade, elegância e chama muito a atenção.
Numa tarde, ao sair de um dos seus locais de trabalho, Marisa foi convidada a tomar café com um dos diretores gerais do maior hospital em que trabalha.
O homem é casado e pai de dois filhos, e por várias vezes realizou várias tentativas de ter um relacionamento extraconjugal com Marisa.
A moça, no entanto, sabendo da vida matrimonial de seu chefe, sempre negou.
Mas, no decorrer daquele café, ele, conhecendo as dificuldades financeiras de Marisa, fez-lhe a seguinte proposta: “Marisa”, disse ele, “eu pagarei todas as suas dividas e banco os medicamentos e todo quanto é tipo de tratamento que sua mãe precisar, contanto que você se torne minha amante, você sabe que, já há muito tempo, tenho uma atração fortíssima por você”.
Marisa, ao ouvir a proposta do cidadão, ficou estática. E ao mesmo tempo, sentiu-se envergonhada.
Ela sabia que por um lado, boa parte de seus problemas poderiam ser resolvidos. Teria o precioso dinheiro para pagar as dividas e também teria garantido o tratamento da mãe, mas, por outro lado, ela também poderia estar destruindo uma família. E o pior: sua moral e dignidade e todos os ensinamentos e a conduta ministrados pela mãe, que aprendera desde sua meninice estariam indo pelo ralo abaixo.
Despedindo-se do homem, Marisa estava visivelmente transtornada e confusa, mal conseguia encará-lo.
No entanto, antes de sair, ele ainda disse-lhe: “Pense com calma, querida, e me responda depois.”
No lugar de Marisa, o que você faria? Aceitaria a proposta e viveria um caso amoroso com o seu chefe ou manteria sua dignidade e deixaria as contas pra depois? O que você faria?
Poesias & Crônicas de Márcio Nato