A História de Marta

Marta tem 33 anos, é solteira e acaba de mudar-se de volta para a cidade em que morara na infância. Ao chegar ao lugar que fora seu antigo lar, Marta não perdeu tempo e correu à procura de seus antigos amigos de colégio, de quem sempre sentia muitas saudades. A primeira pessoa que Marta decidiu visitar foi Alice, que fora sua melhor amiga durante todo o colegial.


Para sua decepção, Marta encontrou sua amiga Alice em um estado deplorável e com os braços cobertos por hematomas arroxeados. Ao adentrar na casa da amiga, esta não esboçou surpresa ou qualquer sinal de felicidade em revê-la, mas, ao contrário disso, começou a chorar.

Marta, sem saber o que fazer, abraçou a amiga e pediu-lhe que explicasse o que estava acontecendo e colocou-se a disposição, caso pudesse ajudar em algo.

Alice tem 33 anos, é mãe de três filhos: Gabriel de 8 anos, Marcelo de 7 anos e Henrique de 5 anos. Casada com Valdir há 12 anos, Alice sempre teve uma vida razoável. Levantava-se as 7hs da manhã, arrumava as crianças pra escola e depois ocupava-se dos afazeres domésticos até a chegada da família para o almoço.

Porém, acometida por uma grave depressão pós-parto, depois do nascimento de seu filho caçula, Alice já há algum tempo não se contentava com a vida que tinha. Queria retomar sua antiga profissão de cabeleireira, imaginava que se saísse um pouco de dentro de casa, onde passava dias e dias a fio, se mantivesse contato com pessoas diferentes, se mudasse de ares, sua doença melhoraria.

No entanto, para que a mulher pudesse retomar sua antiga profissão, seria necessária a contratação de alguém para tomar conta da casa e dos filhos, quando estes não estivessem em horário de aulas. Sendo Valdir um metalúrgico assalariado, e Alice ainda sem ter uma boa clientela formada, isso não era possível, levando em conta a realidade financeira do casal.

A impossibilidade de retomar sua vida profissional, acabou por levar Alice ao fundo do poço. Ela entregou-se ao vício do alcoolismo, o que levou Valdir ao desespero. As discussões do casal tornaram-se cada vez mais frequentes e um dia, no calor da discussão, Valdir chegara a agredir a esposa fisicamente, deixando em seus braços os hematomas observados pela amiga.

Depois de ter passado o dia todo amparando à amiga, Marta finalmente criou forças para deixa-la mais uma vez a mercê do marido espancador que logo estaria de volta do trabalho.

Durante o trajeto para sua casa, Marta ponderava se deveria ou não denunciar os abusos e as agressões sofridas pela amiga, Às autoridades competentes. Por um lado, levava em conta o ditado que dizia que em briga de marido e mulher não se deve meter a colher, e por outro e talvez muito mais forte, recordava-se da sua própria experiência de anos atrás, quando passara por algo semelhante.


Ela dizia a si mesa “se alguém tivesse feito algo por mim, talvez eu não tivesse passado tanto tempo apanhando do meu ex-marido”. A dúvida tomava conta dos pensamentos de Marta, deveria ou não denunciar Valdir à polícia? No lugar de Marta, o que você faria?

Poesias & Crônicas de Márcio Nato