Vida destruída

A nossa vida é uma vida corriqueira e cheia de imprecauções, há fronteiras e limites inatingíveis.  Coisas boas e ruins acontecem a quase todo o momento. Muitas vezes às coisas boas superam as ruins, mas há certas coisas que prejudicam a vida alheia para sempre...


Pessoas sem noção e gravidade do perigo, por não saberem segurar um órgão que há dentro da boca, o qual chamamos de língua, podem desgraçar a vida alheia para sempre.

No entanto, me pergunto o que essas pessoas ganham com a difamação e calunia contra a vida alheia. O que elas adquirem de bom para si, fazendo fofocas e invencionices da vida dos outros?

Uma mentira, uma história, ou nesse caso, estória mal contada pode levar a vida de uma pessoa honesta digna e decente a ruína. Pode destruir relacionamentos longos, se no momento em que esse estopim da fofoca for acendido, houver uma pequena crise entre o casal.

Mas neste mundo grande de não sei de quem, há pessoas com a língua maior do que o cérebro. Pessoas que ouvem assunto pela metade, pegam o bonde andando e se acham no direito de sentar na janela. Então, elas falam mais do que deviam e assim, destroem sete anos ou mais de algo que era puro e válido. E o pior, mesmo depois de verem que estavam erradas, não tem a decência de assumir que errou, mentiu e fofocou, para ao menos tentar corrigir o estrago que fez.

Vida destruída... Conheço um rapaz que está com a vida destruída. Ele tinha uma vida boa, fazia coisas boas e praticava o bem. Por ser afetuoso com quem padecia na cama de um hospital, acabou sendo vítima de uma das piores armações e desenganos humano e hoje, a vida dele está destruída. E agora, vai destruir uma outra vida por causa de uma fofoca maldita de uma dessas pessoas sem noção que habita nesse mundo grande cheio de injustiça.

Palavras, sim, às palavras... As palavras podem fazer viver ou morrer. Palavras podem salvar ou condenar. “O peixe morre pela boca”, assim diz um dito popular. Eu agora incremento ou apenas adapto: Pessoas morrem, matam e faz com que outras se matem pelo desfreio da boca.

Você não é trouxa, nem otário, ou tampouco babaca... Suponhamos que algum energúmeno possa ter esbravejado do outro lado do telefone isso para você.   Do outro lado da linha até a galinha cacareja grosso.  Os mais covardes ficam valentes, desafiam e desrespeitam aqueles que nem conhecem. Eles se esquecem que depois da invenção da pólvora, não existem mais homens fortes...

É certo que alguém que haja assim, encontre pela frente o seu algoz, se depare com o juiz da sentença do ato do seu desrespeito. É provável que encontre o seu aniquilador. Aquele que vai ensiná-lo boas maneiras e a como respeitar o outros...


Vida destruída... fofoqueiro destrói não só a vida de quem fez fofocas, mas outras vidas alheias. Então, retenha a sua língua para não morrer enforcado com a própria. 

Poesias & Crônicas de Márcio Nato