Arranhões...


Tudo que veio em minhas mãos para fazer, eu o fiz com muita ordem, diligência, dedicação e amor . Ia nos lugares mais distantes e muitas vezes esquecido para falar de um "Amor Incondicional".

Viajava horas e horas, dirigia quilômetros para ir até certo local, abrir o diafragma e dizer que "Não sei viver sem Teu amor". E, de fato, não sei.

Sempre busquei tratar as pessoas com igualdade, respeito e amor. Atendê-las em suas necessidades, a medida do possível. Se o que executava tinha um resultado positivo para elas, para mim também o resultado era bom.

Nos meus muitos anos de estrada, encontrei todo tipo de gente. Conheci gente magnifica, da melhor qualidade. Mas também, tive que lidar com gente mal educada, arrogante, presunçosa, pedante, gente falsa, mesquinhas, gente contendera, fofoqueira e mentirosa (essas duas são da pior espécie). Mas eram pessoas que precisavam de ajuda para melhorar esses desvio de conduta. Afinal, todos nós temos rupturas que constrange o nosso ser. Porém, importante é destacar que, se quisermos essas rupturas podem ser curadas.

Só que há muitas pessoas que preferem viver para sempre com os arranhões no caráter.

O problema é quando esses arranhões não se restringe só a pessoa dona dos destes ferimentos. É ruim quando ela não tem poder e domínio sobre a língua e com uma fagulha, consegue incendiar todo um bosque, ou destrói uma bela floresta.

Em tempo de crise, as menores mentiras se tornam duras e grandes verdades. Fofocas se tornam fatos, amizades que pareciam ser fieis mostram o lado mais obscuro da força. Então, o que me resta é continuar dizendo Senhor: "Não sei viver sem teu amor". Pois, sei que em Ti posso me apegar.



Poesias & Crônicas de Márcio Nato