Meninos e Meninas

Todos nós temos os nossos dias de lembrete do passado, lembramo-nos de quando éramos meninos ou meninas.

A época em que tudo para nós ia bem, tudo dava certo, as lágrimas logo se transformavam em belos e lindos sorrisos. Não tínhamos medo do amanhã, nada nos preocupava.

Tempos bons aqueles que passaram, hem? Não tínhamos problemas, embora os nossos pais tivessem os seus, para nós tudo era festa
Éramos Meninos e Meninas felizes que brincavam pelas ruas, pelos morros, nos matos, nos campos, na areia. Tudo acabava em brincadeira.

É, mas o tempo passou e você e eu chegamos a idade adulta. A idade de se preocupar, adquirir ter personalidade e responsabilidades, não que quando criança não tivéssemos, só que agora é bem mais intensificada!


Temos que pagar as contas, permanecer em trabalhos, assegurar o sustento da família, viver conviver com os chatos e às vezes aos olhos de nossas crianças, tornarmo-nos chatos etc...

Porém, muitas vezes, nos dá vontade de voltar ao passado e revivermos os nossos dias de meninos e meninas que passaram tão de pressa como um raio de relâmpago que se acende e logo se apaga.

Ser criança e poder ser criança é a fase e a festa mais feliz da vida. Jogar futebol sem hora de acabar, ah! Isso é que não tem preço. A menina poder brincar de boneca até a hora que quiser e sem ter medo de lobo mau.

Ah, o meu brinquedinho de latinha de sardinha, que saudade de você meu trenzinho. Meu rolo compressor feito com lata de leite, que meu trator avassalador.... Bons tempos de tempos difíceis, sem um centavo para comprar um brinquedo mais que minava em nossa mente um mundo de criatividade.

Onde estão os meus amigos dos tempos de menino? Por que não jogamos mais bandeirinhas, não brincamos mais de pique esconde e outras coisas que eram tão bons para nossas mentes e corações?

Onde está o meu jogo de botão? Minha mesa de damas?  Meu peão? Minhas bolinhas de gude? E cadê a minha pipa? Meu bonequinho do playmobil?  Meu jipe dos transformes? Minha primeira bicicleta? Meu primeiro bolo de aniversário, está tudo isso?

Eu te respondo, está aguardado para sempre no baú escondido, trancado a sete chaves dentro da minha memória, onde só a minha criança interior pode achar e voltar a brincar.

Meninos e meninas, nunca deixem de ser quem um dia você foi.

Poesias & Crônicas de Márcio Nato