Tudo passa

E assim, a cada dia que se passa, a minha vida vai se esgotando. A cada ciclo lunar, a cada nascer e adormecer do sol, o meu fôlego vai ficando mais frágil. A cada ano que se vai, a minha juventude vai perecendo. 


Então, assim sozinho vou trilhando meu caminho. Recolhendo e plantando flores, sabendo que vou prosseguir de luar em luar, de sol à sol, de flor em flores. Assim como ela murcha, eu também vou morrendo aos poucos. Pois, tudo um dia acaba e tem um fim.












Poesias & Crônicas de Márcio Nato